19.9.06

Há dias assim II

E, afinal, o mundo não ruiu... embora tenha ficado um pouco tremido. Se calhar, o meu problema é achar que a vida seria ou tudo ou nada - preto ou branco. A vida é cinzenta, prateada com reflexos de sol, mas também contrastes de lua. A vida é o que é... e não há nada que possa possamos fazer quanto a isso. Esperamos grandes decisões quando temos boas ideias, e grandes derrocadas quando surgem problemas de maior dimensão. Mas nem as terras se vão com um dilúvio, nem as decisões são sempre determinantes: na maior parte das vezes, a vida não passa de pequenas cheias e rotineiras decisões.

Há dias assim. Dias em que se julga que tudo vai acabar, dias em que se constata que não é bem assim. Enfim, há dias e dias - e nós cá vamos andando, ao sabor de uma corrente que não conseguimos prever.

R.

5 comentários:

Nuno Guronsan disse...

Disseste "a vida é cinzenta"? ;))

Espero que o mundo não tenha mesmo desabado e que não te tenham tirado as tábuas do palco de debaixo dos pés. Sei o que elas devem significar para ti.

E sim, o desejo de fazer reset também acontece episodicamente por aqui.

Um grande abraço.

angel_of _dust disse...

nuno: abraço deste lado da barricada lol... não é um tombo totalmente meu - apanho é com algumas ondas de choque :|

luis mendes disse...

Saberei eu que tábuas são essas, que tão esquivas se tornaram?

Que forças ocultas manobram na sombra, sem descanso e sempre vigilantes?

Que a esperança possa voltar, quando soarem as Janeiras...

Um abraço.

polegar disse...

as tábuas não nos pregam partidas dessas. as tábuas são a única constante. são a constante na teoria do caos. as variáveis são quem as pisa conosco e pode pregar-nos uma rasteira. o consolo? o cheiro do pó do palco.

angel_of _dust disse...

big-brother: a auto-renovação da esperança é uma capacidade inata do ser humano... o problema é que não é uma energia inesgotável (e, naquele dia, o ponteiro bateu bem no vermelho).

polegar: sim, o problema nunca são as tábuas, refúgio último de todas as angústias e desabafos - o problema é quem insiste (por perfídia ou por "mera" ignorância") em esquartejá-las, cada quartelada para seu lado.