14.2.08

Do que precisamos...

oferecido à M.

sim, precisamos todos de festinhas na alma
muitas vezes, até mais do que no corpo
precisamos de saber que está lá alguém que nos compreende
ou que pelo menos aceita as nossas cicatrizes
e os sorrisos apagados que não conseguimos esconder
precisamos de alguém com quem estar mais do que passar
precisamos de ter silêncios acompanhados
alguém que saiba que nem sempre é preciso falar
às vezes basta tocar
ou nem isso
precisamos de um piscar de olho de vez em quando
como quem diz «sim, estarei aqui quando precisares».

e os braços fortes
precisamos de braços fortes
de homem ou mulher, tanto faz
precisamos de cabelos para cheirar
e boca para saborear
precisamos de lágrimas para lamber e absorver a dor do outro
precisamos de corpo para sentir o suor
para saborear o suor
de corpos nús para partilhar o calor da intimidade
e o frio da rua.

acima de tudo, preciso de ti
onde estiveres, fala comigo
procurei-te por todo o lado e ainda não te encontrei
não te escondas, peço-te
hoje não, quero-te aqui
nem que seja apenas para trocarmos um olhar e uma palavra
um ligeiro toque de mãos
preciso de saber que me mudaste a vida por uma noite, ou um segundo
amanhã tudo poderá voltar a ser igual
mas cá dentro terás mudado uma alma
para sempre.

preciso de ti.

R.

5 comentários:

matie disse...

Com uma declaração destas... Quem é que não apareceria já aqui de repente?

C. disse...

e há dias (e noites...) em que esses silêncios acompanhados nos fazem tanta falta :( que saudades desse alguém que nos ouve sem falarmos, nos guia para longe, e nos mostra lugares desconhecidos que nos mudam para sempre!

monikyta disse...

é q é mm isso q é(u) preciso!

bj meu

angel_of _dust disse...

matie: se calhar, com uma declaração destas, acham que se está a pedir demais.

c: é estranho como andamos sempre à procura de algo - de um sonho, de um arrepio, de um sorriso envergonhado - de um grão de areia...

monikyta: realmente é bem mais fácil sabermos o que querer - do que saber como encontrar. só nos resta ir tentando - sempre.

Profanus disse...

a eterna busca do silêncio!
impossível, eu não convivo bem sem as palavras, aceito o silêncio, mas as palavras ainda são o dízível.... por inacreditável que seja ainda é o silêncio que traz as palavras---- !! cordialmente
jrm